green-blood-volume-1-jbc

NOME: GREEN BLOOD

AUTOR: MASASUMI KAKIZAKI

EDITORA ORIGINAL / BRASILEIRA: YOUNG MAGAZINE / JBC

NÚMERO DE VOLUMES: 5

ANO DE EDIÇÃO: 2014



Nunca fui muito fã de mangás. A minha base para me tornar o que sou hoje, de certa forma começou com eles, mas não sou o que se pode chamar de apreciador.
Em muitos casos, conheci primeiro o anime, caso de: Cavaleiros do Zodíaco, Yu Yu Hakusho, Dragon Ball, Hellsing e Death Note.

Considero esses como grandes obras da animação japonesa e parte fundamental da minha formação profissional, não só pela temática, mas também, pela beleza artística e narrativa que principalmente Death Note, possui. 

Durante muito tempo, o primeiro lugar no meu top 5 de leituras de mangás, foi ocupado por Samurai X. Não só pela profundidade dos personagens, mas também pela riqueza narrativa e a verdadeira aula de história, referente ao Japão Feudal.

Fui esse ano à 21ª edição do evento Fest Comix e no espaço destinado a vendas da loja Comix, havia um painel impresso com uma arte muito bonita, que me chamou atenção imediatamente.

Se tratava de uma arte do mangá Green Blood.

Como no dia, o meu orçamento já havia estourado, guardei o nome para assim que possível, procurar algo a respeito.

Assumindo o risco, comprei os cinco volumes de uma vez só e então comecei a ler.

A obra me conquistou de tal forma, que parava apenas por puro cansaço.

É escrito e desenhado por Masasumi Kakizaki e conta a história dos irmãos Brad e Luke Burns. Os dois são imigrantes irlandeses que vivem em um lugarejo chamado Cinco Pontos (retratada no filme Gangues de Nova York, de Martin Scorsese), em uma Nova York situada no século XIX. 


green_blood001-19O lugar é uma verdadeira terra de ninguém, onde a violência é generalizada e comandada por duas gangues: Grave Diggers (Coveiros) e Iron Butterfly (Borboleta de Ferro).


Luke Burns é um garoto doce, que apenas trabalha duro e tem sempre um senso de otimismo e honestidade muito grandes, enquanto que seu irmão, Brad, é um vagabundo que passa os dias dormindo, sem se preocupar em arranjar um emprego.

Mas o que Luke não sabe (e o autor não guarda segredo) é que na verdade, Brad, é um assassino a serviço dos Grave Diggers, conhecido como Ceifador. Uma espécie de matador de aluguel, muito temido e também respeitado por todos os membros da gangue.

Brad faz o que faz com o objetivo de sempre proteger seu irmão mais novo, mas também esconde uma outra meta que pretende cumprir um dia.

É impressionante ver o quão minucioso e detalhado foi o trabalho de pesquisa de Kakizaki, para realizar sua obra. Impossível ler o mangá e não se lembrar de clássicos do cinema western (faroeste) ou mesmo, do excelente game Red Dead Redemption (análise em breve), tal qual a fidelidade dos cenários, roupas ou mesmo seguimento da história.

O autor também não economiza no detalhamento dos desenhos, fazendo questão de ilustrar absolutamente tudo. Desde um parafuso enferrujado na arma, a fibras de madeira do piso ou fachadas dos estabelecimentos.

A violência é um outro ponto forte do mangá, aqui retratada também sem economia alguma. green_blood001-11Um fator que me fez entrar ainda mais na trama, por ser de uma verdade sem censura.

Possui leitura rápida, ação extremamente frenética e assim como eu disse, te prende de tal forma, que será difícil parar de ler.

Com momentos de verdadeira tensão e ação empolgante, Green Blood conta a história de dois irmãos orfãos que vivem dia após dia, em busca de uma liberdade prometida a todos que chegavam à América.

Luke é o ponto de equilibrio para que Brad mantenha sua sanidade, mas até quando Luke se manterá assim também?

O mangá foi publicado no Brasil pela JBC e teve o lançamento de sua primeira edição, ocorrido durante a CCXP 2014 (Comic Con Experience).

Recomendo esta obra, não só para quem aprecia o gênero western, mas também, quem curte uma boa história de busca por justiça e liberdade.

Boa leitura!

Vale: 5 brindes








Anúncios